ESPAÇO SAÚDE - COVID 19

THE NEW YORK TIMES: O VÍRUS ESTÁ NAS MINHAS ROUPAS? NOS MEUS CALÇADOS? NO MEU CABELO? NO MEU JORNAL?

 

The New York Times 

Publicado em 17 de abril de 2020, atualizado em 18 de abril de 2020

 

Pedimos a especialistas para responderem a perguntas sobre todos os lugares onde o coronavírus está (ou não está) à espreita. Você se sentirá melhor depois de ler.

Quando pedimos aos leitores para que enviassem suas perguntas sobre o coronavírus, um tema comum surgiu: muitas pessoas estão com medo de trazer o vírus para dentro de suas casas nas roupas, nos calçados, na correspondência ou até no jornal.

Entramos em contato com especialistas em doenças infecciosas, cientistas que estudam nanomaterais que interagem com o ar e microbiologistas para responderem às perguntas de leitores sobre os riscos de entrar em contato com o vírus durante saídas essenciais e com entregas. Embora ainda seja necessário ter cuidado, as respostas foram tranquilizadoras.

Devo trocar de roupa e tomar banho quando chegar em casa depois de ir ao supermercado?

Para a maioria de nós, que estamos praticando distanciamento social e somente indo ocasionalmente ao supermercado ou à farmácia, os especialistas concordam que não é necessário trocar de roupa ou tomar banho ao voltar para casa. No entanto, você deve sempre lavar as mãos. Embora seja verdade que o espirro ou a tosse de uma pessoa infectada possa lançar gotículas virais e partículas menores no ar, a maioria cairá no chão.

Estudos mostram que algumas partículas virais pequenas podem flutuar no ar por cerca de meia hora, mas não formam enxames como mosquitos e é improvável que entrem em contato com as suas roupas. “Uma gotícula que é pequena o bastante para flutuar no ar por algum tempo também tem baixa probabilidade de se depositar em roupas devido à aerodinâmica”, disse Linsey Marr, cientista que estuda nanomateriais que interagem com a atmosfera, do Instituto Politécnico da Virgínia e a Universidade Estadual, conhecido como Virginia Tech. “As gotículas são pequenas o bastante para se mover no ar ao redor do seu corpo e das suas roupas.”

Por que gotículas e partículas virais pequenas raramente caem em nossas roupas?

Pedi à Dra. Marr que explicasse melhor, já que todos nós estamos assistindo a uma miniaula de aerodinâmica.

“A melhor forma de descrever é dizer que seguem as linhas de corrente, ou fluxo de ar, ao redor de uma pessoa, porque nós nos movemos de forma relativamente lenta. É algo como pequenos insetos e partículas de poeira fluindo nas linhas de corrente ao redor de um carro em baixa velocidade, mas possivelmente se chocando contra o para-brisa se a velocidade do carro for alta o suficiente”, disse a Dra. Marr.

“Normalmente, os seres humanos não se movem rápido o bastante para que isso aconteça”, acrescentou a Dra. Marr. “Conforme nos movemos, nós empurramos o ar para fora do caminho, e a maioria das gotículas e partículas também é empurrada. Alguém teria que lançar gotículas grandes ao falar, como pessoas que falam cuspindo, ao tossir ou ao espirrar para que elas caiam em nossas roupas. As gotículas têm que ser grandes o bastante para não seguir as linhas de corrente”.

Então se você estiver fazendo compras e alguém espirrar em você, provavelmente é melhor ir para casa, trocar de roupa e tomar banho. Mas no resto dos casos, fique tranquilo sabendo o caminhar lento do corpo está afastando o ar e as partículas virais para longe da sua roupa, simplesmente um resultado da física.

Há algum risco de o vírus ficar no meu cabelo ou na minha barba?

Por todos os motivos descritos acima, você não precisa se preocupar com contaminação viral do cabelo ou da barba se estiver praticando distanciamento social. Mesmo se alguém espirrar na parte de trás da sua cabeça, gotículas que possam cair no seu cabelo seriam fontes improváveis de infecção.

“É necessário pensar em todo o processo que teria que ocorrer para alguém se infectar”, disse o Dr. Andrew Janowski, professor de doenças infecciosas pediátricas no Hospital Pediátrico de St. Louis da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington. “Começa com alguém espirrando, que precisa ter uma determinada quantidade de vírus no espirro. Então é necessário que um certo número de gotas lhe atinja. ”

“Depois você precisa tocar na parte do cabelo ou das roupas que tem tais gotículas, que já tiveram uma redução significativa no número de partículas virais”, disse o Dr. Janowski. “Então você precisa tocar nessa parte e depois tocar em alguma parte do seu rosto, para entrar em contato. Quando se pensa na sequência de eventos que precisa ocorrer, vê-se que uma extensa série de coisas tem que acontecer de forma exata. Isso torna o risco muito baixo.”

Devo me preocupar ao lavar e separar as roupas? Posso sacudir partículas virais das minhas roupas e espalhá-las no ar?

A resposta depende de você estar lavando roupas de rotina ou fazendo a limpeza para uma pessoa que está doente.

A lavagem de roupas de rotina não é motivo para preocupação. Lave-as como faria normalmente. Embora alguns tipos de vírus, como o novovírus, possam ser difíceis de limpar, o novo coronavírus, como o vírus da gripe, é rodeado por uma membrana gordurosa que é vulnerável ao sabão. A lavagem das roupas com o seu sabão comum, de acordo com as instruções do tecido, seguida por um período na secadora, é mais do que suficiente para remover o vírus, isso se ele realmente estiver presente.

“Sabemos que os vírus podem se depositar nas roupas (a partir de gotículas) e podem ser lançados no ar com movimento, mas seria necessário ter uma grande quantidade de vírus para que fosse motivo para preocupação, uma quantidade muito maior do que uma pessoa comum encontraria ao caminhar ou ao ir ao supermercado”, disse a Dra. Marr.

A exceção é se você tiver contato próximo com uma pessoa doente. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA recomendam que você use luvas ao fazer a limpeza para alguém que está doente, e tome cuidado para não agitar as peças de roupas e nem as roupas de cama. Use a opção de água mais quente possível e seque as roupas por completo. Você pode misturar as roupas de uma pessoa doente com o restante das roupas da casa. Mas simplesmente deixar a roupa descansar por algum tempo também reduz o risco, porque o vírus vai secar e se deteriorar. “Sabemos que esses tipos de vírus tendem a se deteriorar com maior velocidade em tecidos do que em superfícies rígidas e sólidas, como aço ou plástico”, disse a Dra. Marr.

Então por quanto tempo o vírus pode permanecer viável em tecidos ou outras superfícies?

A maior parte do que sabemos sobre por quanto tempo o novo coronavírus vive em superfícies vem de um importante estudo publicado no The New England Journal of Medicine em março. O estudo constatou que, em condições ideais, o vírus pode sobreviver por até três dias em superfícies rígidas de metal e de plástico, e por até 24 horas em papelão.

Mas o estudo não investigou tecidos. Ainda assim, a maioria dos especialistas em vírus acreditam que a pesquisa em papelão fornece pistas sobre como o vírus provavelmente se comporta em tecidos. Aparentemente, as fibras naturais e absorventes do papelão fizeram com que o vírus secasse mais rapidamente do que em superfícies rígidas. As fibras do tecido provavelmente causariam um efeito semelhante.

Um estudo de 2005 do vírus que causa SARS, outra forma de coronavírus, fornece segurança adicional. Nesse estudo, os pesquisadores testaram quantidades cada vez maiores de amostras virais em papel e em um vestido de algodão. Dependendo da concentração do vírus, levou cinco minutos, três horas ou 24 horas para se tornar inativo. “Mesmo com uma carga viral relativamente alta na gotícula, observou-se perda rápida da capacidade de infecção no papel e no material de algodão”, concluíram os pesquisadores.

Devo me preocupar com correspondência, entregas ou com o jornal?

O risco de contrair a doença ao manusear correspondência ou entregas é extremamente baixo e, até o momento, somente teórico. Não há casos documentados de alguém que tenha contraído a doença ao abrir uma entrega ou ler um jornal.

Mas isso não significa que você não deve tomar precauções. Depois de manusear a correspondência ou entregas, ou de ler o jornal, descarte a embalagem e lave as mãos. Se ainda estiver particularmente ansioso com relação a isso, siga a orientação do estudo do New England Journal e simplesmente deixe a correspondência e as encomendas descansarem por 24 horas antes do manuseio.

Até que ponto devo me preocupar sobre contaminação caso eu saia para me exercitar ou passear com o cachorro?

Suas chances de contrair o vírus quando estiver ao ar livre são extremamente baixas, desde que você mantenha uma distância segura dos outros.

“Ambientes ao ar livre são seguros, e certamente não há nuvens de gotículas carregadas de vírus por aí”, disse Lidia Morawska, professora e diretora do Laboratório Internacional de Qualidade do Ar e Saúde na Universidade de Tecnologia de Queensland em Brisbane, na Austrália.

“Em primeiro lugar, qualquer gotícula infecciosa exalada em ambientes externos seria rapidamente diluída pelo ar externo, então suas concentrações logo se tornariam insignificantes”, disse a Dra. Morawska. “Além disso, a estabilidade do vírus em ambientes externos é significativamente menor do que em ambientes fechados. Então estar fora realmente não é um problema, a menos que se esteja em um local muito lotado, o que não é permitido atualmente, de qualquer forma. É seguro sair para caminhar e correr sem se preocupar com o vírus no ar, e não há necessidade de lavar as roupas imediatamente.”

Li que quando chego em casa depois de sair, devo tirar meus calçados e limpá-los. Devo gastar meus preciosos lenços desinfetantes nos meus calçados?

Calçados podem abrigar bactérias e vírus, mas isso não significa que sejam uma fonte comum de infecção. Um estudo de 2008 comissionado pela Rockport Shoes encontrou muitas coisas nojentas, incluindo bactérias fecais, nas solas dos nossos calçados. Um estudo recente da China descobriu que foi possível detectar coronavírus nos calçados de metade das pessoas entre profissionais da saúde, o que não é surpreendente, visto que trabalhavam em hospitais com pacientes infectados.

Então o que devemos fazer com relação a nossos calçados? Se eles foram laváveis, você pode lavá-los. Alguns leitores perguntaram sobre limpar as solas dos calçados com um lenço desinfetante. Não é recomendado. Isso não só desperdiça um bom lenço (eles ainda estão em falta), mas também traz germes que ficariam na sola do sapato ou no chão diretamente para suas mãos.

Você pode tentar evitar pensar sobre o que está se escondendo nos seus calçados ou você pode conversar com a sua família sobre se tornar um lar livre de calçados. Nós discutimos os prós e contras da vida sem calçados no nosso artigo “Você deve tirar os calçados em casa?” Caso você tenha um filho que engatinhe ou brinque no chão, um familiar com alergia ou alguém com o sistema imunológico comprometido, um lar livre de calçados pode ser uma boa ideia para a higiene geral.

O Dr. Janowski disse que calçados não são uma grande preocupação em relação a contrair o coronavírus, mas que podem causar desconforto se você pensar por onde eles estiveram. “Se quiser falar sobre bactérias, nós sabemos que elas adoram viver em calçados”, disse o Dr. Janowski. “Você nunca sabe no que pisou.”

Para ler a matéria no seu formato original é só acessar: //bit.ly/NYTcovid19

Tara Parker-Pope é a editora fundadora do Well, o premiado site de saúde do consumidor do The Times. Ela ganhou um Emmy em 2013 pela série de vídeos "Life, Interrupted" e é autora de "For Better: The Science of a Good Marriage". @taraparkerpope

 

 

 

 

Voltar

Contato

Edifício Sede FIESP
Av. Paulista, 1313
CEP 01311-923 - São Paulo/SP
(11) 3549-4200
contato@fiesp.com.br